quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Extraña sensacion, podria ser amor...


Percebi o quanto tu tinhas te tornado importante, no momento em que senti vontade de escrever sobre ti, e sobre a falta que tu fazias, não estando aqui ao meu lado.
Ninguém sabia o quanto isso era perigoso. Pensar só em ti. Falar sobre ti. E principalmente escrever sobre ti. Era perigoso demais, e doloroso demais.
A dor, eu sempre aguentei, e continuaria aguentando. Se não fosse essa tal esperança, que chegou, e vinha acabando comigo de uns dias pra cá. Esperança de te ter aqui, comigo, algum dia.
Todo mundo sempre me disse que era bom ter esperança. Mas no meu caso, eu não tinha esperança, eu dependia dela. Era ela que me fazia acordar de manhã, e aguentar até a noitinha pra poder falar contigo. Ela que me fazia acreditar que um dia, num fim de tarde desses, com o céu rosado, quando eu estivesse dobrando a esquina, tu também estarias lá, e nunca mais irias embora.
Essa esperança, essa fé enorme, que não me deixava desistir de ti, andava me irritando ultimamente.
Passei a acreditar que essa não fosse a melhor opção a seguir, pois seria muito improvável te ter, em um fim de tarde, ou em qualquer outra hora do dia. Não, isso não podia tomar conta de mim.
Me irritar por uma coisa que me fazia bem, que me dava forças ao levantar e enfrentar o dia esperando a noite chegar? Não, isso definitivamente não.
Afastei a irritação, e os pensamentos ruins a teu respeito. Continuei a pensar, falar e agora escrever sobre ti. Talvez a esperança tenha voltado com uma força ainda maior.
Passei a me questionar, depois das nossas longas conversas, o que você tinha de especial pra me deixar de tal maneira. Não obtive resposta alguma. Apenas sabia que era bom, uma sensação boa, mesmo com a distância e as paredes entre nós.
Então, passei a pensar mais em ti, e conversar comigo mesma na frente do espelho, e quando não tinha mais o que falar, só olhava através do espelho, fitando a porta, que estava em minhas costas, esperando que tu apareces um dia, num final de tarde, e me envolvesse em teus braços... fazendo eu me sentir a mulher mais feliz do mundo.
Mesmo que fosse só naquele momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário